Selecione o seu Idioma   Seleccione su Idioma
  Mais artigos de Maria Inês Felippe

 

A CRIATIVIDADE COMO DIFERENCIAL
Por Maria Inês Felippe

          "Sonhe, imagine, analise e ponha em pratica. Faça diferente! Qualquer hora é hora, qualquer lugar é lugar para criar" Maria Inês Felippe

          Criatividade para que? Como gerar idéias? Ser criativo é ser diferente? Essas são as primeiras perguntas que surgem na nossa consciência.

          Eu tenho que ser criativo? Ser diferente? Ou é apenas mais um requisito a ser exigido pelas empresas? Estamos acostumados a considerar a criatividade como algo pessoal, intransferível e eloqüente. Engano nosso! É algo que poderá ser desenvolvido e que deve fazer parte da nossa vida, do nosso estio, da nossa competência e comportamento.

          Sem grandes investimentos a empresa poderá propiciar ações criativas, dando a liberdade de opinar, errar, aprender com estes erros e, principalmente, de buscar alternativas de diferenciação nos produtos e serviços. Hoje em dia, o ato de criar ou inovar não se restringe apenas ao empreendedor. 

          É necessário que haja uma ação conjunta entre empregados e empreendedor. Buscar o diferencial é oferecer algo a mais do que o cliente esperava, atrair sua preferência, adaptar-se ás suas necessidades, modificar produtos, buscar soluções, estratégicas, fugir do convencional. A criatividade é um fenômeno que se move entre os atributos dos homens e as exigências da sociedade. Considerando que as empresas fazem parte de uma sociedade o incentivo à criatividade implica num bem que é criado para a mesma.

          A empresa deverá investir em cursos que despertem no empregado a sua imaginação, experimentação, objetivando inovações, melhorias nos processos, racionalização de mão- de obra, de materiais e tecnologia, comunicação eficaz, etc.

          Dentro do cenário atual do país, não há dúvida de que o trabalhador possui condições básicas para tornar-se uma pessoa mais criativa do que já é. Muito embora a socialização e a cultura de algumas organizações tende a diminuir esta potencialidade, principalmente pelas práticas das ações rotineiras.

           Trata-se de recursos valiosos de que dispomos e que necessitam ser cultivados pelas organizações através de técnicas de geração de idéias, de resolução criativa de problemas, analogias não usuais, pensamentos divergentes e convergentes. etc. Dessa forma, todos poderão "sonha", analisar, testar e posteriormente concretizar a idéia inicial.

          Cabe também ressaltar a importância do envolvimento geral da organização desde a presidência até os cargos operacionais, nos programas de implantação de criatividade. Ou seja, deverá fazer parte da estratégia e cultua da organização. 

          Podemos perceber uma grande revolução quebra de paradigmas, onde não somente os chefes e o empreendedor devem ser criativos na organização. 

          A criatividade está relacionada com processos de pensamento, imaginação, intuição e originalidade. Podemos perceber que se trata de características importantes para um profissional de sucesso, alado, é claro, aos conhecimentos técnicos e demais habilidades necessária.

          Estimular a criatividade é estimular também a flexibilidade a visão de futuro, a autonomia os trabalhos em equipes, a liderança, buscar soluções alternativas etc. Num mundo de mudanças, marcado por turbulências e incertezas; tudo isso torna-se fundamental.

          A criatividade humana não é temporal, é um patrimônio do ser humano e que deve ser compartilhado neta sociedade. Ou seja, devemos criar ou inovar algo a ser aproveitado pela sociedade. Em alguns casos, é necessário mudar de pensamento. Desta forma, não há hora marcada para criar, pois tal prática deve ser constantemente estimulada e desenvolvida pelas empresas através de uma sistematização e preparação das mesmas para este novo cenário.

          Devemos estar constantemente criando estratégias de ação, soluções diferentes para os diversos problemas nas organizações, criando novos produtos, inovando os já existentes. Só assim as empresas se tornarão criativas e competitivas. Por ser o ato de criar compartilhado com a sociedade, a organização deve servi-la. Nada mais justo, então, desenvolver a criatividade para a superação das expectativas dos clientes.

          Quais as vantagens de atuarmso com pessoas criativas?

  • Serem empreendedoras;
  • Curiosas e atualizadas;
  • Agressivas e auto-sufícientes;
  • Persistentes e perseverantes;
  • Autônomas e corajosas;
  • Sempre bem informadas;
  • Auto-disciplinadas em busca de auto-realização e
  • Auto-motivadores e motivantes.

          Obstáculos que impedem a criatividade:

  • Velhas idéias, paradigmas, chavões;
  • Fronteiras, dificuldades imaginárias;
  • Conformismo;
  • Desistência;
  • Preguiça mental;
  • Medo do ridículo e de errar, tudo tem que ser certo;
  • Pouco ou nenhum incentivo por parte da organização;
  • Excesso de lógica;
  • Reistência a quebra de modelos mentais.

          Ventos  favoráveis que facilitam a criatividade:

  • Motivar as pessoas a ver a realidade sob novos olhos;
  • Usar imagens visuais, auditivas;
  • Gerar idéias fluidas, sem julgamento;
  • Perceber, observar coisas que não são observadas pelos demais;
  • Brincar com as idéias, criando multiplicidade;
  • Buscar conciliação de opostos;
  • Usar os erros comeditos para aprendizagem;
  • Quebrar padrões, rotinas, etc..;
  • Predisposição interna;
  • Humor;
  • Desafie as normas e
  • Receptividade as novas idéias, tanto as suas como as dos demais.

          Melhores momentos do Oscar da Criatividade:

  • Cantando no chuveiro;
  • No trânsito, na fila do cinema, no metrô;
  • Escutando um sermão, dos mais diversos;
  • Fazendo trabalhos manuais;
  • Durante a insônia;
  • Academia de ginástica;
  • Durante reuniões improdutivas;
  • Na casa da sogra;
  • No ócio;
  • Ou sob pressão.

Publicado na revista : RH EM SÍNTESE 23 Julho/Agosto 1998 - Ano IV

Maria Inês Felippe: Palestrante, Psicóloga, Especialista em Adm. de Recursos Humanos e Mestre em Desenvolvimento do Potencial Criativo pela Universidade de Educação de Santiago de Compostela - Espanha. Palestrante e consultora em Recursos Humanos, Desenvolvimento Gerencial e de equipes, Avaliação de Potencial e competências. Treinamentos de Criatividade e Inovação nos Negócios. Palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais de Criatividade e Inovação e Comportamento Humano nas empresas. Vice Presidente de Criatividade e Inovação da APARH.

Clique aqui para imprimir esse artigo  
  Mais artigos de Maria Inês Felippe
   
Página inicial