Selecione o seu Idioma   Seleccione su Idioma
  Mais artigos de Maria Inês Felippe

 

QUEM É ELE, O SUPER QUINZE? O ET? O SUPER HOMEM?
Por Maria Inês Felippe

         Você que é líder creio que há momentos que deverá ser um super-homem para agüentar a pressão do dia a dia.

         Fórmulas, receitas nacionais ou internacionais não faltam, oferecendo pistas para serem percorridas destacando-se como um grande líder. Certamente você encontrará, nos livros, respostas de como se comportar em cada situação, ambiente.

         Em breve deverá andar com um manual de instruções no bolso para consultar e agir em cada momento, servindo como guia de boa conduta para a liderança.

         Os manuais explicam que ser um bom líder é aquele que sabe comporta-se adequadamente de acordo com as mais diversas situações, ou seja, aquele que consegue perceber cada uma delas e adaptar o método de liderança às circunstâncias, como também é aquele que deverá ser flexível agindo do acordo com o estilo do liderado e da sua equipe, ou então, ouvirá falar que deverá ter auto conhecimento, ser sincero, transparente( cuidado com a roupa), ser pró-ativo, ter visão de futuro, ser curioso, audaz, assumir riscos, apresentar uma postura positiva diante da vida, ser auto motivado, naturalmente, motivador e acima de tudo ter um equilíbrio emocional, além de saber voar de asa -delta.

         Jamais deverá utilizar no seu discurso a palavra funcionário e sim colaborador, não devera falar no singular, eu, e sim no plural, nós e no final do seu discurso agradecer o empenho de todos dizendo que fazem parte de uma grande família.

         A lista não termina aí você será constantemente lembrado de ser ético, ( como se precisasse ser lembrado ou estão duvidando) paciente, pois assim mostra que. sabe respeitar as diferenças individuais. Deverá ser claro, flexível, botar a mão na massa quando necessário, mesmo porque não tem mais secretária, ser um grande energizador e estar sempre entusiasmado diante do grupo. Enfim, é aquele que encara os problemas como desafios, de frente, corajoso e avança diante do caos.

         Proficiente na tomada de decisões, atua de forma participativa, administra conflitos emanam saúde e energia para a organização. Nem vamos entrar no assunto de marketing pessoal e envolvimento político.

         Já recebeu vários títulos e condecorações, foi chamado de Feitor, Capitão, Maquiavel, Monitor, Puxa saco, Dedo duro, Chefe, Coordenador, Supervisor, numa linguagem mais moderna o Facilitador, agora não mais Chefe e sim Líder, o Mentor o Coaching e quais serão os próximos que receberá?

         Ufa tantas instruções, quantos títulos. Pelo jeito você tem mesmo que ser um super homem ou uma big mulher.

         O que tenho reforçado nos meus grupos de treinamento e nos diálogos com presidentes, diretores vejo que a liderança é à busca de resultados através de recursos tecnológicos, financeiros, mercadológicos, humanos e ela poderá ser desenvolvida a partir do momento em que você, líder, tenha basicamente dois focos de atenção:

  • Foco em resultado esperado pela organização através de ações estratégicas.
  • Foco no desenvolvimento humano, favorecendo atingir os objetivos propostos.

         Minha experiência em diversas empresas me faz assinalar: Não se iluda, não espere da equipe aquilo que você não é, numa empresa nada ocorre de baixo para cima ou você como líder dá o exemplo ou nada ou pouco ocorrerá.Não exija que o pessoal trabalhe em equipe se você não trabalha, não espere que as pessoas sejam criativas, se você bloqueia ou inibe as novas idéias. É através de pequenas atitudes e comportamentos que emitimos é que passamos a nossa visão e nossos valores na realidade. Devemos deixar de representar vários personagens de filmes de ficção. Lidere através de conduta própria.

         A experiência também nos aponta que as maiorias das atitudes positivas ou negativas, somente são tomadas quando os homens estão em grupo, pois sozinho este não se manifestaria.Desta forma, o sucesso de uma organização é substancialmente influenciado pelo desempenho de diversos grupos que interagem entre si e por toda a hierarquia da empresa, tanto verticalmente quanto horizontalmente.

         As soluções dos problemas, lançamentos de novos produtos, ações , decisões são resultados de um conjunto de cadeia produtiva, criativa, que vai desde o presidente até o operário e em todas as fazes podemos perceber que existe entre o cérebro para pensar, as mãos para executar, neste caminho, bem no meio, há o coração, para sentir, tanto dos lideres quanto dos liderados.

         As pessoas efetivamente se envolvem, "vestem" a camisa, quando se emocionam pelo que faz. Há que diz: Sem "tesão" não há solução.

         Tenha em mente: Você que é responsável pelos resultados da empresa, deve lembrar, também, que em todo o processo há pessoas, e é gente lidando com gente!

         Sucesso em sua liderança e até breve!

Maria Inês Felippe: Palestrante, Psicóloga, Especialista em Adm. de Recursos Humanos e Mestre em Desenvolvimento do Potencial Criativo pela Universidade de Educação de Santiago de Compostela - Espanha. Palestrante e consultora em Recursos Humanos, Desenvolvimento Gerencial e de equipes, Avaliação de Potencial e competências. Treinamentos de Criatividade e Inovação nos Negócios. Palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais de Criatividade e Inovação e Comportamento Humano nas empresas. Vice Presidente de Criatividade e Inovação da APARH.

Clique aqui para imprimir esse artigo  
  Mais artigos de Maria Inês Felippe
   
Página inicial