The stainless steel crown is replica watches also polished to show the exclusive charm of fake rolex watches the brand. It is designed with a rolex uk pit pattern around it to give you a first-hand feel and it is easy to swiss replica watches grasp the time and the calendar display.
FOCO NO CLIENTE E INOVAÇÃO - Maria Inês Felippe
 
Selecione o seu Idioma   Seleccione su Idioma
After falling in replica handbags love with Beatrice,gucci replica handbag Pierre immediately worked hard. In 2009, after dropping out of college, he took over a hermes replica handbags construction company founded handbag replica by his father and became a replica handbags major shareholder. Later he became the vice president of the Monaco Yacht Club. Personally, it has reached 50 million US dollars.
  Mais artigos de Maria Inês Felippe

 

FOCO NO CLIENTE E INOVAÇÃO
Por Maria Inês Felippe

Meu caro leitor

          No meio a tanta confusão estava lá eu no meio dela. Era mais uma das pessoas envolvidas no drama da aviação.
          Observem os fatos, a forma de pensamento no que tange a situações de caos pelas quais o Brasil vem passando e nós é que estamos sendo vítimas: falta de foco no cliente; ausência de flexibilidade e criatividade das pessoas na solução de problemas;... manutenção da Lei de Gerson
          O que vou relatar aconteceu tudo na mesma semana. Desculpem-me pelo texto longo.
          “No dia 29 de março, terminei um treinamento em São Paulo. Em seguida, fui a Brasília. Peguei o vôo em Congonhas com 1h15min de atraso. Tinha um treinamento de ‘Liderança Transformadora’ na sexta, sábado e domingo (não se assustem, pois a empresa é de Logística e faz parte do cotidiano trabalhar aos domingos, sendo que as agendas durante a semana não se ajustam).
          No sábado, à noite, estava no hotel, cansada. Resolvi tomar uma canja de galinha. É... palestrante também gosta de sopa!
          Ao solicitar que fosse servida no quarto, o atendente respondeu: ‘A senhora não gostaria de descer e verificar nosso fantástico bofe de salada, doces, comidas quentes. Poderá servir-se à vontade’.
          De tanto insistir, resolvi descer. Quando estava entrando no restaurante, perguntou-me: ‘A senhora está viajando por que companhia aérea?’. Respondi. Ele disse: ‘Ah! Aproveite e coma a vontade que ela paga quando enviarmos a fatura’. Respondi: ‘Como assim? Eu não estou com problemas com o vôo (esta situação ocorreu no auge daquela confusão aérea). Estou trabalhando esses dias. Não faço parte - por enquanto - das pessoas que estão com problemas para voar’. Ele insistiu reforçando que poderia comer a canja e que ele encaminharia a nota fiscal para a empresa como o custo de um buffet.
          Vejam que potencial criativo desperdiçado, prevalecendo a lei de Gerson. Sem contar que o conceito de criatividade e inovação não é para essa postura, apesar de ver muitos ‘profissionais’ fazendo mau uso desta capacidade.
          Dando prosseguimento ‘àquela conversa’, ele percebeu que eu não estava gostando da atitude dele e de suas intenções. Em seguida, ele disse: ‘Levarei pessoalmente no seu quarto com torradas,,, etc.‘.
          Tudo isso aconteceu no sábado à noite depois de um dia de trabalho, sabendo que o domingo seria mais um dia de treinamento.
          No domingo, ministrei o treinamento e meu vôo estava marcado para as vinte horas. Cheguei ao aeroporto às 18h e fui informada que haveria um vôo para Guarulhos confirmado para as 19h e o vôo das 20h não estava confirmado. Contrariada, resolvi não arriscar. Resolvi pegar o vôo das 19h para Guarulhos: fato este que me causaria transtornos. Às 18h30, fizeram a chamada. Às 19h, mudaram a porta de embarque. Às 19h30, avisaram de um novo reposicionamento. Às 20h, anunciaram o vôo para Congonhas (àquele para o qual não haveria previsão).
          Quando percebi que era o vôo em que anteriormente estava incluída, esperei que todos embarcassem e solicitei a transferência, começando mais um desgaste. Desculpas sem justificativas da não-autorização, tais como: teria de retornar ao balcão para a troca do bilhete (e eles anunciavam insistentemente a última chamada) que talvez tivesse ainda de pagar a diferença (eu já estava com o valor máximo da tarifa), que o Supervisor não autorizava. Fui falar com ele, respondendo-me da seguinte forma: ‘Porque eu não quero’. Novamente, fiquei sem explicação. Ressaltei que eles estavam com foco no processo e não no cliente e que a empresa X surgiu e permaneceu até agora com foco no processo e na concorrente no cliente. Salientei que, no meio de tanta crise, a empresa aérea estava dificultando todo o processo, desconsiderando a necessidade dos clientes, transferindo as responsabilidades para os controladores de vôos. Destaquei, ainda, que teriam de ser mais flexíveis, criativos na solução do caos instalado, que bastaria pegar o meu cartão de embarque e fazer a transferência. Caso estivessem com algum receio em relação à segurança, ou busca de outro sistema de controle de passageiros, já que isso era o mais importante para a empresa. Depois de tantas discussões, fui autorizada a voar. A aeronave dispunha de 30% dos seus assentos vazios e, no aeroporto de Brasília, um grupo de pessoas – cansadas - esperavam os vôos.
          Finalmente, consegui chegar a São Paulo no domingo à noite.
          Na segunda-feira, à tarde, viajei para o Rio de Janeiro. Ao pegar um táxi, a tradicional pergunta: ‘A senhora está voando por que companhia’. Respondi. Então, a conversa continuou: ‘A senhora não gostaria de fazer um tour pelas praias de Copacabana, às que estão próximas ao hotel? A empresa aérea paga, basta apresentar o comprovante e pedir reembolso’. Novamente, a criatividade mal utilizada a serviço dos interesses pessoais e não coletivos era esboçada.
          Na terça-feira, realizei o treinamento e estava mais do que cansada.
          Após o evento, resolvi jantar no quarto. Fiz o pedido por telefone e fui informada que haveria uma demora de aproximadamente 15min para entregarem o meu pedido. Aproveitei, portanto, para organizar todo o meu material e, passados cerca de 45min, liguei, perguntando se havia ocorrido algum problema. O jovem alegou: ‘Tocaram a campainha e a senhora não abriu. Voltamos com o pedido para a cozinha. Pensamos que a senhora poderia ter dado o número do quarto errado e que certamente iria ligar cobrando o pedido. Mas agora já sabendo o número correto, iremos esquentar e levar novamente, já que a senhora nos informou o número do quarto errado’.
          Vejam o absurdo! Um cliente com cinco diárias, (independentemente disso), mais o valor absurdo da refeição, teria de comer requentada a refeição e, acima de tudo, de ser punida por tal falha. Isso porque era um hotel de uma rede famosa de cinco estrelas.
          No dia seguinte, ao tomar o café, escuto o seguinte diálogo:
          X: E aí você continua com o notebock velho?
          Y: Continuo.
          X: Por que não joga no mato e fala que foi assaltado no aeroporto?
          ‘Meu Deus!’, penso. E questiono-me mais uma vez:

‘Onde está o foco no cliente? Onde está a honestidade?’;
‘Quando será que as empresas estarão prontas para administrar crises?’;
‘E os nossos funcionários, em relação ao comportamento repetitivo?’ Olham somente o processo ou a solução criativa de problemas com os clientes?’. ‘

          Vivemos no mundo que cada vez mais a inovação fará a diferença, no atendimento ao cliente, nas soluções de problemas, nas crises, nas melhorias e na otimização dos processos, na criação de diferenciais em produtos e serviços, para que a meta seja o fortalecimento da imagem.
          Tenho trabalhado muito com Gestão de Inovação e percebo que o brasileiro é altamente criativo, note-se o relato acima.
          Entretanto, teremos de canalizar esse potencial para o desenvolvimento pessoal da empresa e da sociedade.

Leve a inovação para o bem da sua empresa e para o benefício de nossa nação.

Maria Inês Felippe: Palestrante, Psicóloga, Especialista em Adm. de Recursos Humanos e Mestre em Desenvolvimento do Potencial Criativo pela Universidade de Educação de Santiago de Compostela - Espanha. Palestrante e consultora em Recursos Humanos, Desenvolvimento Gerencial e de equipes, Avaliação de Potencial e competências. Treinamentos de Criatividade e Inovação nos Negócios. Palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais de Criatividade e Inovação e Comportamento Humano nas empresas. Vice Presidente de Criatividade e Inovação da APARH.

Clique aqui para imprimir esse artigo  
  Mais artigos de Maria Inês Felippe
   
Página inicial