Selecione o seu Idioma   Seleccione su Idioma
  Mais artigos de Maria Inês Felippe

 

O EMPREENDEDOR E A CRIATIVIDADE: UM CASAMENTO PERFEITO
Por Maria Inês Felippe

         Olá! Vou compartilhar com vocês um pouquinho de uma experiência que tenho empregado em meus treinamentos, Brasil afora, e que pelos resultados apresentados tem me proporcionado grandes momentos de reflexão, satisfação e resultados.
         As características do cérebro empreendedor e vencedor são diferentes das demais pessoas. O cérebro determina o comportamento, portanto, as pessoas empreende-doras e vencedoras pensam de forma diferente e atuam no mundo de forma distinta. São perceptivas, identificam oportunidades de negócios, criam estratégias e não se abatem diante da dificuldade. O mesmo vale para pessoas que possuem perfil para liderança. São pessoas que pensam diferente e agem de maneira diferenciada.
         Agora, você também sabe que o que diferencia uma empresa da outra do mesmo ramo não é somente a distribuição, preço e qualidade, mas sim a inovação é que vai encantar o cliente e quando é surpreendido com novos produtos, serviços e argu-mento de venda diferenciado, retorna e recomenda.
         Pois é isso é uma conduta que exige mudança de pensamento e de hábito. E exercitar este pensamento é simples. Para isso é preciso pensar sempre nas perguntas e buscar respostas.

- Como poderei agregar valor às atividades que executo?
- Como poderei agregar valor ao negócio da empresa?
- Que outros produtos ou serviços posso criar a partir do que já existe?

         As melhores formas para se chegar à condição de empreender e criar eu digo que, em primeiro lugar, é necessário fazer um diagnóstico para reconhecer qual a forma de pensar e agir diante do mundo que essa pessoa tem e também para ver se ela possui potencial para ser desenvolvido por meio de treinamentos e afins; em segundo lugar, é preciso fazer um trabalho de auto-estima, reconhecimento pessoal, percepção e mudança da forma de pensar (se for necessário mudar a forma de pensamento). Agora... nem todas as pessoas são empreendedoras. Há perfis psicológicos que apresentam fortes resultados em contexto que não envolve ousadia, risco e pouca rotina.
         Tudo começa na nossa mente. O desenvolvimento das práticas e estudo da inovação novamente converge na forma de pensamento. Tudo aponta para a Lei do Uso e Desuso. Se não uso, atrofio. Com o cérebro é a mesma coisa.
         Quando vamos à academia de ginástica, e estamos há muito tempo sem nos exercitarmos, sentimos dores e, por vezes, desistimos dos exercícios. Com o cérebro acontece a mesma coisa. Se não o estimulamos, ele atrofia e, quando precisamos dele, sentimos dores de cabeça, etc.
         Por outro lado, quando utilizamos e aumentamos a sua capacidade, melhor ele fica e mais descobertas nós temos. Conseqüentemente nos sentimos melhor.
         A ginástica cerebral consiste em exercícios para não deixar o cérebro atrofiar, para elevar a nossa capacidade para lidar com as responsabilidades e os desafios do cotidiano e conseguir ter diferentes percepções das coisas. Tudo isso ajuda a chegar lá.
         Tenho um compromisso de sempre trazer novidades, fique ligado(a)!

         Abraço, Maria Inês

Correção textual e gramatical: Dra. Yêda Camargo (USP/Mackenzie)
E-mail: yedamc@uol.com.br
Tel: (11) 81813532 / 47864234

Maria Inês Felippe: Palestrante, Psicóloga, Especialista em Adm. de Recursos Humanos e Mestre em Desenvolvimento do Potencial Criativo pela Universidade de Educação de Santiago de Compostela - Espanha. Palestrante e consultora em Recursos Humanos, Desenvolvimento Gerencial e de equipes, Avaliação de Potencial e competências. Treinamentos de Criatividade e Inovação nos Negócios. Palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais de Criatividade e Inovação e Comportamento Humano nas empresas. Vice Presidente de Criatividade e Inovação da APARH.

Clique aqui para imprimir esse artigo  
  Mais artigos de Maria Inês Felippe
   
Página inicial